Ciclo de Palestras | 9 DE NOVEMBRO – 09H00
18377
product-template-default,single,single-product,postid-18377,woocommerce,woocommerce-page,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,columns-4,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.3,vc_responsive

9 DE NOVEMBRO – 09H00

Abel Mateus

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

A concorrência nos transportes

UMA PARCERIA:
APOIOS:
PARCEIROS:
REF: Abel Mateus
PERCURSO PROFISSIONAL ↓
  • Abel Moreira Mateus é professor na Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa.
  • Licenciado em Economia pelo ISCEF, UTL, Doutorado em Economia pela University of Pennsylvania, USA e  agregado em Economia pela Universidade Nova de Lisboa.
  • Foi o primeiro presidente da Autoridade da Concorrência de 2003 a 2008.
  • De 1992 a 1998 fez parte da administração do Banco de Portugal, onde foi responsável pelo pelouro dos mercados monetários internos que executam a política monetária, e implementam a política de desinflação desde 1992, e levam Portugal a entrar no euro. Ainda como membro do conselho de administração do Banco de Portugal, lidera os projetos do Sistema de Pagamentos de Grandes Transações, Sistema Electrónico de Mercados; Séries Longas Estatísticas e Base de Dados Estatísticos, que modernizam os sistemas informáticos de base do Banco e do Sistema Financeiro.
  • Foi, posteriormente, consultor do Banco de Portugal até 2003.
  • De 1994 a 1998 foi membro do Comité Monetário da União Europeia, tendo sido, de 1993 a 1996, presidente do FEARC.
  • Pertenceu ao Comité de Política Económica da União Europeia de 1992 a 1994 e entre 1998 a 2003, foi consultor do Banco de Portugal.
  • Durante quase uma década (1981 a 1992) foi economista sénior do Banco Mundial e foi professor da Universidade de Maryland, nos EUA, entre os anos de 1986 a 1987.
  • Durante o seu percurso profissional, aconselha governos e escreve vários relatórios sobre ajustamento macroeconómico, reforma fiscal e políticas redução pobreza (México, Brasil, Marrocos e Chipre), tendo ainda contribuído de forma fundamental para a política do Banco Mundial/FMI sobre “subsídios orientados” (“targeted subsidies”) com grande impacto na eficiência e equidade das políticas fiscais dos países da América Latina e África.
Show Buttons
Hide Buttons